6# – Tentação com etiqueta

ATRAVESSANDO CRISES

Atravessando-Crises-06-TENTAÇÃO-COM-ETIQUETA.pdf (279 downloads)

Determinados animais pressentem quando estão ameaçados, quando vão ser atacados. O apóstolo Pedro nos dá a seguinte orientação:

“Vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar” (1 Pedro 5:8).

Diante disso, será que nós, seres humanos, temos algum instinto, algum aviso interior que nos previne de sermos atacados por tentações? O que você acha? Sim ou não?

A tentação é uma isca usada pelo inimigo para levar pessoas a uma situação favorável a desobedecer a Deus e quebrar Sua lei. Acontece quando você se sente atraído a alguma coisa potencialmente errada. Embora se apresente como atraente e vantajosa, a tentação sempre leva à destruição e à morte. Portanto, quanto mais forte for a tentação, mais letal serão suas consequências.

A arma “infalível” de Satanás para derrotar os cristãos é a dissimulação, isto é, não deixar o cristão perceber que tentação é tentação. O diabo é dissimulado, é um fingidor, é um malandro. Ele finge ser “anjo de luz”, ele finge ser “profeta”, ele finge até ser Deus, tudo para confundir e enganar.

A tentação é um campo mágico no qual as pessoas entram, geralmente sem perceber, com alto risco de serem derrotadas. O local para vencer a tentação não é dentro dela, ou durante sua ocorrência, mas antes e fora de seu campo magnético. Significa dizer que, quanto mais longe da tentação, mais seguro.

Sozinho, sem a proteção de Deus, o ser humano é tão frágil à tentação, como um alce diante de um leão faminto. Nossa natureza caída tende ao erro. Como explicou Paulo:

“Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço” (Romanos 7.19).

Evitar a tentação é ainda o melhor meio de vencê-la, entretanto, nem sempre isso é possível. Neste caso, o melhor mesmo é estar preparado. Jesus, certa vez, teve de enfrentar a tentação, e veja o que aconteceu:

 

LENDO A PALAVRA

Mateus 4:1-11

 

APRENDENDO DA PALAVRA

1. Segundo o relato, Jesus passou por três tentações. Vamos ver quais foram e a que cada uma apelava:

1ª TENTAÇÃO: “Então o diabo disse a Jesus: Se Tu és o Filho de Deus, manda que esta pedra se torne pão. Jesus respondeu: Está escrito: Nem só de pão vive o homem” (Mateus 4:3,4).

Discuta com o grupo:

A que apelava: apelava à independência de Deus, para que Jesus agisse por conta própria para atender uma necessidade Sua.

2ª TENTAÇÃO: “Então o diabo o transportou à cidade santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo, e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, E tomar-te-ão nas mãos, Para que nunca tropeces com o teu pé em alguma pedra. Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus” (Mateus 4:5-7).

Discuta com o grupo:

A que apelava: apelava a superdependência de Deus, à presunção, confiar que a resposta de Deus é um direito próprio.

3ª TENTAÇÃO: “Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles. E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás. Então o diabo o deixou” (Mateus 4:8-11).

Discuta com o grupo:

A que apelava: apelava obter uma solução sem Deus, resolver o problema para Si, sem considerar o plano de Deus, sem sacrifício.

 

2. Jesus realmente poderia ter caído em tentação, ou Sua vitória sobre Satanás já estava assegurada sem qualquer risco?

Discuta com o grupo:

A missão de Cristo só se podia cumprir através de sofrimento. Achava-se diante dEle uma existência de dores, privações, lutas e morte ignominiosa. Cumpria-Lhe carregar sobre Si os pecados de todo o mundo. Tinha que sofrer a separação do amor do Pai. Ora, o tentador oferecia entregar-Lhe o poder que usurpara. Cristo poderia livrar-Se do terrível futuro mediante o reconhecimento da supremacia de Satanás. Fazer isso, porém, era renunciar à vitória no grande conflito.

 

APLICANDO A PALAVRA

3. A tentação não é pecado, ser tentado não significa que a pessoa vai pecar, então o que leva uma pessoa a cair em tentação?

Discuta com o grupo:

A Bíblia assegura que não somos tentados além de nossas forças: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar” (1 Coríntios 10:13). Ou seja, a decisão de vencer a tentação é pessoal. Cair em tentação também.

4. O que tem ajudado você a vencer as tentações?

[a] A Bíblia (qual passagem?);

[b] A companhia de um amigo;

[c] A oração;

[d] Fugir da situação;

[e] Estar sempre presente aos cultos da igreja;

[f] Cantar um hino de louvor no momento mais difícil;

[g] Manter comunhão diária com Deus.

 

PENSANDO BEM

Sete atitudes que ajudam vencer a tentação:

  1. Mantenha permanente e regular comunhão com Deus;
  2. Identifique e admita suas fraquezas;
  3. Procure prever e evitar situações tentadoras;
  4. Reforce suas convicções de fé;
  5. Escolha as melhores companhias;
  6. Seja específico ao confessar o pecado e pedir ajuda a Deus;
  7. Nunca desista de vencer, mesmo se cair.

 

CONCLUSÃO

O que é a tentação? Luís Waldvogel, em seu livro Sabiá na Gaiola, define a tentação como sendo um passarinho que voa, voa, voa, sobre nossa cabeça. Não podemos  impedir  que  o passarinho voe sobre nossa cabeça, mas podemos impedir que ele pouse e faça um ninho. O erro está ligado ao propósito de nossas atitudes.  Às vezes, somos tentados a fazer coisas que não são potencialmente erradas. Não é problema ser tentado, mas sim ceder à tentação.

Cada tentação foi refutada por Cristo com textos das Escrituras. Cristo conhecia cada centímetro quadrado das Escrituras Sagradas e estava, portanto, preparado para enfrentar a tentação, não porque era o Filho de Deus, mas porque Ele conhecia a vontade do Pai e mantinha íntima comunhão com Ele.

 

 

 

 

Criação: Umberto Moura e Delman Falcão

Edição: Joelson Moura

PEQUENOS GRUPOS: COMUNHÃO EM TORNO DO CORDEIRO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *