#06 – Um Difícil Retorno

[Download não encontrado.]

 

Introdução

Um dos meus poemas preferidos chama-se, “Quando eu voltava para casa”. Neste poema falo da minha emoção jovem de voltar para casa de meus pais, depois de andar mundo afora, marinheiro que era, e ser recebido de volta, no seio da família, sem ser cobrado por nada, apenas amado. Um trecho do poema diz assim:

Quando eu voltava para casa, levando além das malas,

     meus sentimentos partidos;

Como era confortável, da lambida do meu cão ao abraço de

     minha mãe, no meu coração ferido.

Quando eu voltava para casa, vitorioso ou derrotado,

     sabia que com certeza tinha a família ao meu lado.

Quantas vezes que voltei, às vezes trazendo nada,

     mas aquilo era sagrado, ter carinho e cuidado,

     quando voltava para casa.

A igreja é comparada a uma família – a família de Deus. Nela nos consideramos irmãos, convivemos dentro de um espaço chamado “casa de Deus” e nos respeitamos como filhos do mesmo Pai que está nos Céus. Mas assim como nas famílias formadas por sangue, por grau de parentesco, a família igreja também tem seus problemas como as famílias comuns. Mas voltar e ser bem recebido é uma fantasia que pousa no imaginário de toda pessoa que se encontra longe de seus amigos e daqueles que lhe são caros.

Jesus Cristo parecia compreender bem esses sentimentos humanos quando cotou uma parábola na qual um jovem rompe com sua família, sai da casa de seus pais e vai embora para uma terra distante. Vamos ver o que vai acontece com o protagonista dessa história.

Lendo a Palavra

Lucas 15:11-28

Aprendendo da Palavra

1. Porque você acha que o filho pródigo decidiu sair de casa?

[a] Para amadurecer e crescer
[b] Para fugir dos valores ensinados por seu velho pai
[c] Ele não se sentia querido em casa
[d] Para tentar construir seu próprio futuro

2. O que fez o filho pródigo cair em si?

[a] Saudades do lar
[b] Sentimento de culpa
[c] Pena de si mesmo
[d] A barriga vazia
[e] Amizade com o pai
[f] Ele se convenceu de seu erro

3. O que você acha que o pai fazia enquanto seu filho estava distante?

[a] Amargurava-se pois se sentia traído por seu próprio filho
[b] Preocupava-se com o bem-estar de seu filho
[c] Imaginava que tipo de castigo usaria caso o filho voltasse
[d] Intercedia por seu filho em suas orações

4. Quando o filho voltou, qual foi a atitude do pai?

[a] Pode vir, mas você vai ver com quantos paus se faz uma canoa
[b] Você desgraçou a família
[c] Onde está o dinheiro?
[d] Não concordo com o que você fez, mas você ainda é meu filho
[e] Bem vindo, filho. Eu te amo.

5. Na sai opinião, o pai agiu corretamente ao dar a herança a um jovem que provavelmente a desperdiçaria completamente?

[a] Sim
[b] Não

6. Se o pai desconfiasse do destino da viagem de seu filho, você acha que ele deveria ir atrás dele?

[a] Sim
[b] Não

7. Será que a festa que o pai ofereceu pelo retorno do filho foi uma boa ideia?

[a] Sim
[b] Não

Aplicando a Palavra

8. Analise o temperamento e a experiência das pessoas abaixo e marque em quem mais se parece com você:

[a] O filho pródigo
[b] Os amigos do filho pródigo
[c] O irmão mais velho
[d] O pai
[e] Os palmeirenses

9.  Se você fosse comparar sua jornada espiritual com a do filho pródigo, onde você se encontraria agora?

[a] No lar, mas não muito feliz
[b] Num país distante
[c] Voltando para casa, incerto do que encontrarei lá
[d] Acabei de voltar. Estou me sentindo ótimo
[e] Deliciando-me com o bezerro gordo e a festa
[f] Comendo a comida dos porcos

Para Refletir

10. Que lição, você acha, Jesus quis ensinar com essa parábola?

[a] Você  não deve impedir seus filhos de partir, mesmo que vão se dar mal
[b] O amor de Deus não tem partido
[c] Devemos esperar pacientemente o retorno do que se foi
[d] O amor se sobrepõe aos erros
[e] Seja quem for ou como for, aquele que volta precisa ser bem recebido e acolhido, sem qualquer cobrança, até que o mesmo tenha tempo para abrir seu coração em segurança.

11. Você já foi ou já se sentiu um pródigo?

[a] Sim
[b] Não

12. Caso sua resposta seja sim, o que mais ardia em seu coração?

[a] A consciência pesada pelo erro
[b] O medo de não ser bem recebido
[c] A insegurança de viver longe das pessoas amadas
[d] A saudade de casa
[e] A falta dos cultos na igreja

13. Você, ou algum dos presentes, já passou por uma situação assim?

 

Conclusão

Em uma igreja, na década de 60, à época dos hippies, “um destes jovens malvestidos entrou numa igreja e se assentou no chão, na primeira fileira. Houve uma comoção geral e ninguém sabia o que fazer.

“Finalmente, um dos diáconos caminha pela ala central em direção ao hippie. O pastor e os irmãos ficaram petrificados. Pensaram que veriam uma cena horrível, em que o diácono arrancaria o jovem da igreja e o lançaria para fora. Para surpresa geral e alívio de todos, o diácono foi até a frente e sentou-se no chão ao lado do jovem!

“Jesus não veio para salvar os que se consideram justos, mas sim os pecadores que desejam mudar suas vestiduras pelas vestiduras da justiça de Cristo. Não tenhamos a atitude do filho mais velho, que desfrutando de todos os privilégios e bens de seu pai, não tinha amor no coração pelo irmão que estava perdido no pecado” (Léo Ranzolin, Jesus o Orvalho da manhã, 118 e 119).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Umberto Moura e Delman Falcão

Baseado em: Serendipity Bible

Edição: Joelson Moura

www.pequenosgrupos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.