Reforma de saúde

Em um mundo cético e doente, o Senhor comissionou ao Seu povo uma solene e importante obra, sem que dela nada esquecesse – a reforma de saúde. O Senhor nos chamou para vivê-la, e nos dotou de conhecimento e graça para fazê-lo. Testemunhar desta obra é nosso privilégio, vivê-la é nosso dever, possuí-la é a nossa diferença!

“Porque tu és povo santo ao Senhor teu Deus; o Senhor teu Deus te escolheu, para que Lhe  fosse o Seu povo próprio,  de todos os povos que há sobre a terra.” Deuteronômio. 7:6.

“Eis que vos tenho ensinado estatutos e juízos,  como me mandou o Senhor meu Deus…  Guardai-os,  pois, e cumpri-os, porque isto será a vossa sabedoria e o vosso entendimento  perante os olhos dos povos que, ouvindo todos estes estatutos, dirão: Certamente este grande povo é gente sábia e entendida.” Deuteronômio 4:5 e 6.

Se pretendemos ser um grande povo, devemos, sem demora, efetuar uma reforma em nossa vida, nos moldes divinos e “a obra de reforma de saúde é o meio divino para aliviar o sofrimento em nosso mundo, e para purificar Sua igreja.” – Testimonies 9, 112.

A obra médico-missionária é o método a ser utilizado pelo povo de Deus na preparação e execução da reforma da saúde. Ellen G. White não fala da “obra médica” simplesmente, mas da “obra médico-missionária”, que deve ser compreendida  pela igreja e praticada por todos os seus membros. Se assim não fora, seria impossível o cumprimento desta profecia:

“Veremos a obra médico-missionária ampliando-se e aprofundando-se em todos os pontos do seu progresso, em virtude de centenas e milhares de rios afluentes, até que toda a Terra esteja coberta como as águas cobrem o mar.” – Medicina e Salvação, 317.

O ministério de Cristo não se constitui apenas de pregar, mas se constitui também de ensinar e curar. E embora esquecido este último aspecto de Sua missão – curar – o Senhor também nos comissionou.

“Em todos os Seus labores, Ele uniu a obra médico-missionária com o ministério da Palavra. Enviou os doze apóstolos, e posteriormente os setenta, a fim de pregar o Evangelho ao povo, e deu-lhes poder também para curar os doentes e expulsar os demônios em Seu nome. Assim devem os mensageiros do Senhor entrar hoje na obra. Chega até nós hoje a mensagem: ‘Assim como o Pai me enviou, também Eu vos envio a vós. E havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.’ João 20:21,22.” – Testemunhos Seletos 2, 530.

Neste momento, em que as “curas” e outros “milagres” tomam conta das igrejas populares; criando incertezas e falsas esperanças, a Igreja Adventista do Sétimo Dia tem a oportunidade de realizar a sua missão, manifestando a beleza da sua obra e a singularidade do seu testemunho, mantendo a pureza do Evangelho.

“Ao seguir-Lhe o exemplo, em nossa obra médico-missionária, revelaremos ao mundo que nossas credenciais procedem do alto.” – Medicina e Salvação, 23.

Este capítulo pretende oferecer esclarecimentos a respeito e em favor de um viver saudável e feliz, buscando diretamente da Revelação divina as instruções que nos permitam preparar o nosso corpo como “templo do Espírito Santo.” Acreditamos que nesta Fonte Divina, à qual confiantemente recorremos, encontraremos as orientações necessárias e acima de qualquer contestação. Acreditamos que o Senhor nosso Deus, Criador dos céus e da terra, Criador do próprio homem, está perfeitamente qualificado para indicar e responder às nossas necessidades, sejam elas quais forem.

1. Doenças como resultado do pecado

A mente do homem é hoje o principal campo de batalha do “Grande Conflito” entre o bem e o mal. Deus controla o corpo do homem pela mente; Satanás controla a mente pelo corpo. Um corpo enfraquecido e debilitado pelos maus hábitos e constantes transgressões  às leis de saúde, torna-se presa fácil de Satanás. Ora, um físico debilitado corresponde a uma mente debilitada, e uma mente debilitada representa uma porta aberta para o diabo, uma via livre para seus assédios.

É nosso dever evitar a doença e promover a saúde. Esta não é apenas uma questão de bem estar físico e mental, mas, sobretudo espiritual. É uma questão de vida, inclusive na dimensão eterna.

As doenças não são consequências de mero acaso. Muitas vezes, elas são o  próprio reflexo de um viver antagônico aos conselhos de Deus. Chega então o momento em que o organismo se debilita. Impossibilitado de se reconstituir, as doenças aparecem, e destroem prematuramente o corpo. O inimigo nos leva primeiro à desobediência para, depois, destruir o templo do Espírito Santo, nosso corpo.

“Doença, sofrimento e morte são obras de um poder antagônico. Satanás é o destruidor; Deus o restaurador.” – Medicina e Salvação, 11.

“O corpo é o único agente pelo qual a mente e a alma se desenvolvem para a edificação do caráter. Daí o adversário das almas dirigir suas tentações para o enfraquecimento e a degradação das faculdades físicas.” – Temperança, 102.

“O pecado traz enfermidade e fraquezas, físicas e espirituais.” – Medicina e Salvação, 12.

“A moléstia nunca vem sem causa. O caminho é preparado, e a doença convidada pela desconsideração para com as leis da saúde.” – Conselhos Sobre Regime Alimentar, 122.

“Uma vez que as leis da Natureza são leis de Deus, é claro dever nosso dar a essas leis a mais cuidadosa atenção. Devemos estudar seus reclamos em relação a nosso próprio corpo, ajustando-nos a eles. A ignorância  dessas coisas é pecado.” – Conselhos Sobre Regime Alimentar, 18.

“A transgressão da lei física é transgressão da Lei de Deus.” – Conselhos Sobre Regime Alimentar, 43.

“Não é nenhum mistério que os habitantes da Terra estejam sofrendo de enfermidade de toda espécie e tipo. É pelo fato de transgredirem a lei de Deus.” – Medicina e Salvação, l19.

“A doença é um esforço da Natureza para libertar o organismo de condições resultantes da violação das leis da saúde.” – A Ciência do Bom Viver, 127.

“É a falta de ação harmoniosa no organismo humano que produz enfermidades.” – Medicina e Salvação, 291.

“Muitos agem como se saúde e enfermidade fossem coisas inteiramente independentes de sua conduta, e inteiramente fora de seu controle. Não raciocinam da causa para o efeito, submetendo-se à debilidade e doença como uma casualidade.

“Violentos ataques de enfermidades crêem eles ser especial dispensação da Providência, ou resultado de algum predominante soberano poder; e recorrem a drogas como remédio para o mal. Mas, drogas tomadas para curar a doença enfraquecem o organismo.” – Medicina e Salvação, 297.

A alimentação é um fator básico tanto na saúde quanto na doença. Ter saúde ou ficar doente depende, em grande medida, daquilo que se come. Conhecimento e prática neste campo é fundamental, tanto para a manutenção da saúde quanto para o aperfeiçoamento da moral e do caráter.

A ciência hoje tem demonstrado que, o melhor regime para a manutenção da saúde e prevenção de doenças é o mais natural possível; ou seja, o regime que Deus nos deixou desde o Éden, e que há mais de um século vem sendo confirmado pelos escritos do profeta:

“Nosso corpo é formado pela comida que ingerimos. Deve-se escolher o alimento que melhor proveja os elementos necessários para a edificação do organismo. Cereais, frutas, nozes e verduras constituem o regime dietético escolhido por nosso Criador. Estes alimentos, preparados da maneira mais simples e natural possível, são os mais saudáveis e nutritivos. Proporcionam uma força, uma resistência e vigor intelectual, que não são promovidos por uma alimentação mais complexa e estimulante.” – A Ciência do Bom Viver, 295-296.

“Para o pão, não é melhor a farinha branca, superfina. Seu uso nem é saudável nem econômico. A farinha branca, fina, carece de elementos nutritivos que se encontram no pão feito de trigo integral. […] O emprego de bicabornato ou fermento em pó, no pão, é nocivo e desnecessário. […]

“De ordinário se usa demasiado açúcar no alimento. Bolos, pudins, pastelarias, geléias, doces, são causa ativa de má digestão. Especialmente nocivos são os cremes e pudins em que o leite, ovos e açúcar são os principais elementos.” – A Ciência do Bom Viver, 300-301.

“A carne nunca foi o alimento melhor; seu uso agora é, todavia, duplamente objetável visto as moléstias nos animais estarem crescendo com tanta rapidez. Os que comem alimentos cárneos mal sabem o que estão ingerindo. Freqüentemente, se pudessem ver os animais ainda vivos, e saber que espécie de carne estão comendo, repeli-las-iam enjoados. O povo come continuamente carne cheia de germes de tuberculose e câncer. Assim são comunicadas estas e outras moléstias.” – A Ciência do Bom Viver, 313-314.

“A vida religiosa pode ser alcançada e mantida com mais sucesso se a carne for dispensada, pois este regime dietético estimula a intensa atividade das propensões lúbricas e debilita a natureza moral e espiritual.” – Medicina e Salvação, 277-278.

Aqueles que estão habituados ao alimento cárneo, antes de abandoná-lo,  devem se preocupar com o equilíbrio do novo regime adotado; pois apenas suprimir o uso da carne não dá o melhor resultado. Contudo, as dificuldades em fazê-lo não devem se constituir numa desculpa permanente.

“É impossível aos que dão rédea solta ao apetite alcançar a perfeição cristã.” – Conselhos Sobre Regime Alimentar, 236.

PARA REFLETIR
É possível perceber que a reforma de saúde é mais que um regime alimentar saudável?

2. Método de cura natural

Diante de um emaranhado “científico”, práticas de curas duvidosas, charlatanismo e mercenarismo, Deus legou a seu povo uma orientação segura, eficaz, necessária e indispensável para o viver saudável, nestes dias difíceis e finais da história humana.

“Ar puro, luz solar, abstinência, repouso, exercício, regime conveniente, uso de água e confiança no poder divino – eis os verdadeiros remédios.” – A Ciência do Bom Viver, 127.

“Existem muitos meios de praticar a arte de curar, mas só existe um meio que o Céu aprova. Os remédios de Deus são os simples agentes da Natureza que não sobrecarregam nem debilitam o organismo por causa de suas propriedades energéticas, entretanto esses remédios  estão caindo de moda porque seu emprego inteligente requer trabalho que o povo não aprecia.” – Mensagens Escolhidas 2, 287.

Essa obra não deve ser responsabilidade ou privilégio de algum grupo, instituição ou classe, mas um dever de toda a igreja.

“Toda pessoa deve possuir conhecimentos dos meios terapêuticos naturais e da maneira de os aplicar. […] Nosso povo deve tornar-se entendido no tratamento das enfermidades.” – Medicina e Salvação, 57.

“O povo precisa que se lhes ensine que as drogas não curam as moléstias. É verdade que elas por vezes proporcionam temporário alívio, e o paciente parece restabelecer-se em resultado de havê-las usado. […] Com o uso de drogas venenosas, muitos trazem sobre si doença para toda a vida, e perdem-se muitos que poderiam ser sal- vos com o emprego de métodos naturais. Os venenos contidos em muitos dos chamados remédios, formam hábitos e apetites que importam em ruína tanto para o corpo como para a alma… algumas drogas receitadas por médicos, desempenham seu papel em deitar bases para o hábito da bebida, do ópio, da morfina, os quais são uma tão terrível maldição para a sociedade.” – A Ciência do Bom Viver, 126.

“As drogas ministradas  aos doentes não dão resultado, mas destroem.  As drogas não curam nunca. Em vez disso, colocam no organismo sementes que trazem colheita muito amarga.” – Mensagens Escolhidas 2, 289.

“Milhares têm baixado à sepultura por causa do uso de drogas venenosas, os quais poderiam ter sido restaurados à saúde pelos métodos mais simples.” – Medicina e Salvação, 57.

“Se os enfermos e sofredores fizerem apenas o melhor que sabem com relação a viver os princípios da reforma de saúde perseverantemente, em nove casos de cada dez ficarão livres de seus males.” – Medicina e Salvação, 224.

PARA REFLETIR
Você acha que o método de cura pelos remédios naturais é apenas para um tempo ou circunstâncias em que não se tenha outros recursos?

3. O poder de Deus

Um dos mais eficazes remédios que o Criador nos deixou foi a “confiança no poder de Deus.” Este recurso não pode ser utilizado de qualquer maneira, mas de uma única maneira: colocando-nos numa relação correta com Deus e vivendo os Seus ensinos, de acordo com o nosso conhecimento, e praticando-o de acordo com a nossa fé; reclamando as respostas de Suas promessas e descansando no cumprimento das mesmas.

O “poder de Deus” não poderá ser reclamado para favorecer o descaso às orientações divinas e às transgressões das leis da saúde. Mas, quando os esforços humanos se unem à intenção divina, nenhum caso ficará sem solução.

“O organismo físico do homem acha-se sob a supervisão de Deus, mas não é como um relógio, que é posto em movimento e deve continuar por si mesmo. O coração bate, pulsação sucede à pulsação, uma respiração segue a outra, mas o ser todo acha-se sob a supervisão de Deus.
“Em Deus vivemos, e nos movemos e existimos. Cada batida do coração, cada respiração, é a respiração dAquele que soprou nas narinas de Adão o fôlego da vida, a inspiração do Deus sempre presente, o grande ‘Eu Sou’.” – Medicina e Salvação, 9.

“Foi Deus quem fez a provisão para que a natureza opere para restaurar as forças exauridas. O poder é de Deus. Ele é o Grande Restaurador.” – Medicina e Salvação, 12.

Reclamar o poder de Deus para ratificar Sua Palavra é uma obra realizada pela fé. Ele oferece os recursos da natureza, coloca à disposição o Seu poder, e espera a fé.

“Falai de fé, trabalhai com fé, prossegui com fé. Obstáculos serão removidos ao lançarmos mão das promessas de Deus. Que o povo do Senhor prossiga avante, e o seu coração será fortalecido.” – Medicina e Salvação, 335.

“Não esperemos que todo o caminho esteja desobstruído para iniciar esta obra. A fé diz: avante! Cristo diz: ‘Eis que estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos’.” – Medicina e Salvação, 304.

“Os meios naturais, usados em harmonia com a vontade de Deus, produzem resultados sobrenaturais. Pedimos um milagre e o Senhor dirige a mente a algum remédio simples. […] Não podemos esperar que o Senhor opere um milagre por nós enquanto negligenciamos os remédios simples que Ele providenciou para nosso uso, os quais, apta e oportunamente aplicados, produzirão miraculoso resultado. Portanto, orai, crede e trabalhai.” – Mensagens Escolhidas 2, 346.

“Não podemos curar. É-nos impossível mudar o estado doentio do corpo. Todavia, constitui nossa parte, como missionários médicos, como cooperadores de Deus, usar os meios por Ele providos. Depois, devemos orar para que Deus abençoe estes agentes. Nós cremos em um Deus; cremos em um Deus que ouve e responde as orações. Ele disse: ‘Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á’.” – Medicina e Salvação, 13.

“Permiti que vos diga que os enfermos serão curados quando tiverdes fé para ir a Deus de maneira correta.” – Medicina e Salvação, 16.

Se o profeta adverte quanto à maneira correta de fazer a obra é porque existe alguma outra maneira que precisa ser evitada.

“A obra do Salvador em ministrar à humanidade sofredora foi sempre combinada com Seu ministério da palavra. Ele pregava o evangelho e curava as enfermidades, ambos pelo mesmo eficaz poder.

“Ele fará o mesmo hoje; mas devemos fazer nossa parte levando os doentes em contato com o Poderoso Restaurador.” – Medicina e Salvação, 62-63.

“A maneira em que Cristo operava era pregar a Palavra e aliviar o sofrimento por meio de operações miraculosas de cura. Foi-me dito, entretanto, que não podemos agora trabalhar dessa maneira; pois Satanás exercerá o seu poder de operar milagres. Os servos de Deus não podem hoje trabalhar por meio de milagres; pois operações espúrias de cura, dizendo-se divinas, serão realizadas.

“Por essa razão, o Senhor indicou um meio pelo qual Seu povo deve levar avante a obra de cura física em combinação com o ensino da Palavra.” – Medicina e Salvação, 14.

Muitos adoecem em conseqüência de sua intemperança. Depois evitam o tratamento natural, recorrendo às facilidades do tratamento com drogas, e ainda pedem as orações da igreja. A igreja poderá orar, mas Deus não irá responder.

“Deus não operará de maneira miraculosa para preservar a saúde de pessoas que estão seguindo uma conduta certa para se tornarem doentes, por sua falta de atenção para com as leis de saúde.

Os que querem satisfazer o apetite e depois sofrem por causa de sua intemperança e tomam drogas para se aliviarem podem estar certos de que Deus não interferirá para preservar a saúde e a vida que estão, temerariamente, sendo postas em perigo. A causa produziu o efeito. Como último recurso, muitos seguem as indicações da Palavra de Deus e pedem as orações dos anciãos da igreja em favor da restauração de sua saúde. Deus não considera apropriado responder as orações feitas em favor de tais pessoas, pois Ele sabe que se lhes fosse restaurada a saúde, eles a sacrificariam novamente sobre o altar do apetite pervertido.” – MS, 14.

Conclusão

Os recursos de Deus não diminuíram; Seu braço forte não encurtou; a nossa indisposição é que permanece a mesma, criando obstáculos na execução da boa vontade divina.

Combinar o humano com o divino, combinar a fé com a ação, combinar a Palavra com os recursos da natureza, combinar a obra médico-missionária com a proclamação da tríplice mensagem angélica são as nossas ordens.

“Combinai a obra médico-missionária com a proclamação da terceira mensagem angélica. Fazei esforços regulares e organizados para erguer as igrejas de sua condição mortal em que têm caído e em que têm permanecido por anos. Introduzi nas igrejas obreiros que estabelecerão os princípios da reforma de saúde em sua conexão com a terceira mensagem angélica perante cada família e cada indivíduo, e vede se o fôlego de vida não retornará depressa a essas igrejas.” – Beneficência Social, 142.

“Tornar clara a lei natural, e instar para que seja obedecida, eis a obra que acompanha a mensagem do terceiro anjo, para preparar um povo para a vinda do Senhor.” – Medicina e Salvação, 289.

“O ministério evangélico é uma organização para a proclamação da verdade e a promoção da obra pelos enfermos e sãos. Este é o corpo, a obra médico-missionária o braço, e Cristo a cabeça sobre todos… e Deus deseja que mostremos decidido interesse nesta obra.” – Medicina e Salvação, 23l.

“Não permitamos que se introduza nenhuma incredulidade, pois a obra de Deus deve ir de cidade em cidade, de país em país.” – Medicina e Salvação, 335.

“A influência da obra que estamos fazendo será sentida por toda a eternidade. Se trabalharmos em harmonia uns com os outros e com o Céu, Deus demonstrará o Seu poder em nosso favor, como fez pelos discípulos no dia de Pentecostes.” – Medicina e Salvação, 334.

“O Senhor vos conclama, ó igreja que tendes sido abençoada com a verdade, para que deis o conhecimento desta verdade àqueles que não a conhecem.” – Medicina e Salvação, 333.

PARA REFLETIR
O que seria mais correto dizer: reforma de saúde é mais uma questão de conhecimento ou mais uma questão de fé?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.