Preparo Final


Se o seu coração ardeu no estudo ou na simples leitura deste livro é porque certamente você está vivo, e ainda está escutando a voz do Espírito Santo. Ninguém se sente bem ou mal diante de tal mensagem, sem que esteja à vista de Deus. O maior perigo para a alma é a indiferença. Não deve ser o seu caso, pois ninguém se demora nestas coisas eternas se não estiver lutando por sua salvação. E todos os que lutam por sua salvação estão vivos. Feridos talvez; mas, vivos!

Prepare-se para a leitura deste último capítulo; ele é desafiador.

Certamente é tempo de alçarmos nossa voz e declararmos com o profeta: “Até aqui nos ajudou o Senhor!” Precisamos dizer isso não apenas aqui ou agora, porém todo dia e em qualquer lugar que necessário for o nosso testemunho. E ainda queremos que, por este testemunho, o mundo reconheça que estivemos com Jesus e isto confesse, dizendo: “Grandes coisas o Senhor tem feito por eles.” E ousadamente em nosso Deus confirmaremos: “Realmente, grandes coisas fez o Senhor por nós; por isso estamos alegres.” Salmos 126:2 e 3.

O mundo precisa saber desde agora que realmente temos nos demorado com Jesus; o mundo precisa perceber a nossa diferença; o mundo precisa ver que não somos mais os mesmos – nossa linguagem e nosso testemunho são diferentes, nossa religião e nosso amor são diferentes, nosso caminho e nossa vida estão diferentes. Por quê?! Porque ouvimos o chamado do Pastor divino, e no dia de nossa de- cisão Ele nos recolheu no Seu regaço, dando pão para nossa fome e água para nossa sede. Por isso, há em nosso coração um vivo sentimento de louvor e gratidão ao nome de nosso Senhor Jesus Cristo!

1. A necessidade de nossa urgente preparação

O Senhor nosso Deus não decepcionará nossa esperança. A nossa mais elevada expectativa, os nossos mais caros sonhos se desvanecerão diante da glória majestosa daquele dia tão esperado.

“Aquilo que os olhos  não viram, que os ouvidos  não ouviram, e o que jamais subiu ao coração humano  são as coisas que Deus tem preparado para aqueles que O amam.” 1 Coríntios 2:9.

Antes, porém, de sermos participantes desta cena gloriosa, de- veremos preencher as condições através de uma cuidadosa, necessária e urgente preparação.

“Vi que não devemos delongar a vinda do Senhor. Disse o anjo: ‘Preparai-vos, preparai-vos para o que há de vir sobre a Terra. Correspondam vossas obras à fé que professais’…. Devemos dar a isto toda a importância, e tudo o mais deve vir em segundo lugar.” –Testemunhos Seletos l, 23.

Eis aqui algumas perguntas que deveriam nos levar a uma profunda reflexão, a uma investigação sincera de nosso coração:

“Irmãos, a quem as verdades da Palavra de Deus foram desvendadas, que parte desempenhareis nas cenas finais da história deste mundo? Estais despertos para essas solenes realidades? Reconheceis a grande obra de preparação que está em prossecução no Céu e na Terra? Que todos os que receberam a luz, que tiveram a oportunidade de ler e escutar a profecia, atentem para as coisas que nela estão escritas; ‘porque o tempo está próximo’. Ninguém condescenda com o pecado, fonte de toda miséria em nosso mundo. Não permaneçais em letargia e néscia indiferença. Não vos fique o destino da alma pendente da incerteza. Tende a certeza de estar inteiramente do lado do Senhor. Façam os corações sinceros e os lábios trementes a pergunta: ‘Quem poderá subsistir?’ Estais vós, nestas últimas preciosas horas de graça empregando a melhor espécie de material na formação do vosso caráter? Tendes purificado a alma de toda mancha? Seguistes a luz? Tendes  obras que equivalem à vossa profissão de fé?
Vi que todo o céu está interessado em nossa salvação; e seremos nós indiferentes? Seremos descuidosos, como se fosse coisa de pouca importância o sermos salvos ou perdidos? Menosprezaremos o sacrifício feito por nós? Alguns assim têm feito…. O grande sacrifício feito para salvar almas, mostra-nos o valor delas. Uma vez perdida a preciosa alma, está perdida para sempre.” –Testemunhos Seletos l, 23-24.

Precisamos compreender este tempo através da ótica divina, através dos olhos da fé. Diante da impressionante secularização da igreja, como evitar tão solene verdade? Como suprimir tão apelativo testemunho?  Se este é o povo de Deus, esta é a mensagem de Deus para ele: é tempo de reforma! É tempo de reavivamento! É tempo de preparação!

“Estamos mesmo no limiar do tempo de angústia, e acham-se diante de nós perplexidades com que dificilmente sonhamos. Um poder de baixo está levando os homens a guerrear contra o Céu. Os seres humanos confederaram-se com agentes satânicos para anular a lei de Deus. Os habitantes do mundo depressa se vão tornando como os do tempo de Noé, que foram exterminados pelo dilúvio, e como os de Sodoma que foram consumidos por fogo que caiu do céu. Os poderes de Satanás estão a trabalhar para conservar o espírito dos homens alheio às realidades eternas. O inimigo dispôs as coisas de maneira que servissem aos seus propósitos.

Atividades mundanas, esportes, as modas da época são coisas que ocupam o espírito dos homens e mulheres. Diversões e leituras inúteis corrompem o juízo. Na estrada larga que leva à ruína eterna anda um cortejo longo. O mundo, cheio de violência, festas e bebedice, está pervertendo a igreja. A lei de Deus, o divino padrão de justiça, é considerada de nenhum efeito.” –Testemunhos Seletos 3, 306.

“Nosso tempo é precioso. Não temos senão poucos, pouquíssimos dias de graça em que preparar-nos para a vida futura, imortal. Não dispomos de tempo para desperdiçar com movimentos negligentes. Devemos ter o temor de ser superficiais no tocante à Palavra de Deus.” –Testemunhos Seletos 3, 14.

“Caso a cortina pudesse ser erguida, pudésseis vós discernir os propósitos de Deus e os juízos que estão para abater-se sobre o mundo condenado, caso pudésseis ver a vossa própria atitude, temeríeis e tremeríeis por vossa própria alma e pela de vossos semelhantes. Fervorosas orações e angústia de coração quebrantado elevar-se-iam ao Céu. Choraríeis entre o alpendre e o altar confessando a vossa cegueira e rebeldia espirituais.” –Testemunhos Seletos 3, 15.

Estas inquietantes verdades não têm como propósito, nos lançar ao relento do desespero, mas fazer com que olhemos para cima, para a Rocha de nosso refúgio, de onde virá o socorro.

“Os que por Cristo têm acesso a Deus, têm um trabalho importante a fazer. Agora é o tempo de nos arrimarmos ao braço de nosso Poder. A oração de Davi deve ser tanto dos ministros como dos leigos: ‘É tempo de operares, Senhor; porque eles têm invalidado a Tua lei.’ Sal. l19:126. Que os servos do Senhor chorem entre o pórtico e o altar, dizendo: ‘Poupa a Teu povo, ó Senhor, e não entregues a Tua herança ao opróbrio.’ Joel 2:17.” –Testemunhos Seletos 2, 152.

PARA REFLETIR
“O maior perigo para a alma é a indiferença”, você corre esse risco?

2. Virgens Laodiceanas

Assentados sobre o Monte das Oliveiras, os discípulos de Cristo ouviam atentamente as lições do seu Mestre, ao pôr-do-sol. Crescendo as sombras da noite, um cortejo nupcial que está passando ao longe, contrasta agora com a escuridão, por suas vestes, sua alegria e o brilho das luzes que trazem consigo.

A partir desta cena, Jesus reproduz uma das mais encantadoras parábolas do Seu Evangelho – a Parábola das Dez Virgens – que se encontra em Mateus 25:1-13.

Vejamos alguns destaques:

A parábola começa comparando o reino do Céu “a dez virgens, que tomando as suas lâmpadas saíram ao encontro do noivo.” Há um atraso, as virgens adormecem, e quando acordam – uma tragédia – cinco delas descobrem que não têm azeite suficiente para acompanhar o noivo.

Em primeiro lugar precisamos descobrir quais e quem são as pessoas envolvidas na parábola:

  • O Pai da Noiva: Deus, o Pai;
  • O Noivo: Jesus Cristo;
  • O azeite: símbolo do Espírito Santo.

Toda a divina família celestial está reunida para este importante acontecimento. Algo muito especial está ocorrendo. O que será? É o casamento de Cristo com Sua Noiva. E quem é a Noiva de Cristo? Convencionou-se dizer que é a Igreja, mas não é. Se a Noiva é a Igreja, quem são as dez virgens. Se a Noiva é a Igreja, quem são os convidados? E ambos, Noiva e convidados (as dez virgens), estão ao mesmo tempo na mesma festa; então representam pessoas diferentes. E quem são? Os profetas respondem:

“Então, veio um dos sete anjos […] e falou comigo, dizendo:
Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro […] e me mostrou a santa cidade, Jerusalém.” Apocalipse 21:9-10.

“Na parábola, quando o esposo veio ‘as que estavam preparadas entraram com Ele para as bodas.’ A vinda do esposo, aqui referida, ocorre antes das bodas. O casamento representa a recepção do reino por parte de Cristo. A santa cidade, a Nova Jerusalém, que é a capital e representa o reino é chamada ‘a esposa,  a mulher do Cordeiro.’… Claramente, pois, a esposa [ou noiva] representa a santa cidade, e as virgens que saem ao encontro do esposo [ou noivo] são símbolo da igreja.” – Conflito dos Séculos, 426.

Depois desse esclarecimento, vejamos qual a mensagem da parábola para nós:

Aparentemente, as dez virgens estão preparadas para receber o esposo; todavia, a demora de sua chegada faz aparecer a diferença entre elas, uma única diferença: a quantidade de azeite. Esta parábola se aplica inteiramente  à experiência da igreja de Deus, hoje.

“Os dois grupos de vigias representam as duas classes que professam estar à espera de seu Senhor. São chamadas virgens porque professam fé pura. As lâmpadas representam  a Palavra de Deus. Diz o salmista: Lâmpada para os meus pés é a Tua palavra, e luz para o meu caminho.’ Sal. 119:105. O óleo é símbolo do Espírito Santo.” – Parábolas de Jesus, 406.

“As dez virgens estão esperando  na noite da história deste mundo. Todas dizem ser cristãs. Todas têm uma vocação, um nome, uma lâmpada, e todas pretendem fazer a obra de Deus. Todas aguardam, aparentemente, a volta de Cristo, cinco porém, estão desprevenidas. Cinco serão encontradas surpreendidas, aterroriza- das, fora do recinto do banquete.” – Parábolas de Jesus, 412.

“A classe  representada pelas virgens loucas não é hipócrita. Têm consideração pela verdade, advogaram-na, são atraídas aos que crêem na verdade, mas não se entregaram à operação do Espírito Santo. Não caíram sobre a Rocha, que é Cristo Jesus, e não permitiram que sua velha natureza fosse quebrantada.”  – Parábolas de Jesus, 411.

A força das últimas tentações não será para nos levar como povo, a uma resistência aberta a Deus e à Sua Palavra. Ela será sutil – apenas para confundir nossas prioridades e nosso senso de valor. Não visará nos levar à prática de coisas claramente errôneas; antes, seremos tentados a nos ocupar na prática das coisas “certas”, desde que, não nos aproximem de Deus com fervor e a consagração necessária.

Muitos deixarão de ler a Bíblia e orar, a fim de “trabalhar” para a obra de Deus sem, contudo, trabalhar para o Deus da obra. Uma grande parte da igreja estará ocupada demais para orar e vigiar de dia, de noite e nas madrugadas, conforme exige o momento. Muitos confundirão as “obras de Maria” com as “obras de Marta” e não saberão escolher “a melhor parte.” Muitos estarão ocupados demais na legítima e difícil luta pela vida, contudo, estarão a negligenciar a sua própria razão de viver.

“Na parábola, todas as dez virgens saíram ao encontro  do esposo. Todas tinham lâmpadas e almotolias. Por algum tempo não se no- tava diferença entre elas. Assim é com a igreja que vive justamente antes da segunda vinda de Cristo. Todos têm conhecimento das Escrituras. Todos ouviram a mensagem da proximidade da volta de Cristo, e confiantemente esperam Sua aparição. Como na parábola, porém, assim é agora. Há um tempo de espera; a fé é provada; e quando se ouvir o clamor: ‘Ai vem o Esposo, saí-lhe ao encontro’, muitos não estarão preparados. Não têm óleo em seus vasos nem em suas lâmpadas. Estão destituídos do Espírito Santo.” – Parábolas de Jesus, 408.

“Essa classe é representada, também pelos ouvintes comparados ao pedregal. Recebem a Palavra prontamente; porém, deixam de assimilar os seus princípios. Sua influência não permanece neles. O Espírito trabalha no coração do homem de acordo com o seu desejo e consentimento, nele implantando natureza nova; mas a classe representada pelas virgens loucas contentou-se com uma obra superficial. Não conhecem a Deus. Não estudaram Seu caráter; não tiveram comunhão com Ele; por isso não sabem como confiar, como ver e viver. Seu serviço para Deus degenera em formalidade… O apóstolo Paulo assinala que este será o característico especial dos que vivem justamente antes da segunda vinda de Cristo. Diz: ‘Nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos… mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela’. 2 Tim. 3:1-5.” – Parábolas de Jesus, 411.

Muitos dos que hoje chamam pelo nome do Senhor, vivem apenas uma “aparência de piedade”; estão se corrompendo  porque não conhecem  as “palavras da profecia.” São ouvintes da verdade, mas não a praticam.

“Eles vêm a ti, como o povo costuma vir, e se assentam  diante  de ti como Meu povo, e ouvem  as tuas palavras, mas não as põem  por prática…  Eis que tu és para eles como quem  canta  canções de amor, que tem voz suave e tange bem, porque ouvem as tuas palavras e não as põem por prática. Mas quando vier isto – e aí vem – então saberão que houve no meio deles um profeta.” Ezequiel 33:31-33.

Estes vivem na penumbra cinzenta da incerteza, embalados pela música monótona da indiferença e da mornidão. Perderam a consciência do tempo e da oportunidade. Não sabem onde estão, nem querem voltar. Tarde demais, vão perceber que fizeram parte de um movimento vitorioso, mas não alcançaram a vitória.

“Para os que são indiferentes neste tempo, a advertência de Cristo é: ‘Porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da Minha boca’. Apo. 3:16.” –Testemunhos Seletos 3,15.

As virgens imprudentes da parábola correspondem, pois, aos mor- nos e ricos da igreja de Laodicéia. Eles não são hipócritas, mas são mentirosos; porque têm uma “aparência de piedade”, mas não o “testemunho de Jesus.” Têm a aparência de que estão vivos, mas estão mortos.

Haverá uma divisão na igreja de Laodicéia, assim como houve uma divisão entre as virgens da parábola. Mas ninguém que, tendo hoje ouvido esta mensagem, deveria permanecer como ébrio da indiferença. É melhor escolhermos agora, se seguiremos ao Esposo, ou se ficaremos abandonados “ao relento, na rua solitária, nas trevas da noite.”

Tendo a cena da parábola das Dez Virgens em nossa memória, poderíamos repetir em paráfrase o convite da graça: “Aconselho-te que de Mim compres óleo, para te enriqueceres.”

PARA REFLETIR
Como está o seu nível de azeite?
Está você estocando azeite para os últimos dias ou vai esperar mais um pouco?

3. Desenvolvendo o preparo

Apresentaremos a seguir, alguns aspectos que precisam ser desenvolvidos em nossa preparação final.

A. Estudo diligente da Bíblia e do Espírito de Profecia

“Apenas os que forem diligentes estudantes das Escrituras, e que receberam o amor da verdade, estarão ao abrigo dos poderosos enganos que dominam o mundo.” – Conflito dos Séculos, 677.

“Tempos perigosos nos estão à frente. Todo o que possui o conhecimento da verdade deve despertar e se colocar corpo, alma e espírito, sob a disciplina de Deus. O inimigo está em nosso encalço. Precisamos estar bem despertos, em guarda contra ele. Precisamos revestir-nos de toda a armadura de Deus.” – Testemunhos Seletos 3, 275.

B. Comunhão com Deus em fervorosa oração

“Enquanto os que assim oravam prosseguiam com seus ansiosos clamores, por vezes lhe vinha um raio de luz, procedente de Jesus, para lhes reanimar o coração e iluminar o rosto. Alguns vi eu, não participavam dessa agonia e lutas. Pareciam indiferentes e descuidosos. Não se opunham às trevas que os rodeavam, e estas os envolviam semelhantes a uma nuvem densa. Os anjos de Deus deixavam estes e iam em auxilio dos que se afligiam e oravam.” – Primeiros Escritos, 270.

C. Consagração completa a Deus

“Consagrai-vos a Deus pela manhã; fazei disto vossa primeira tarefa. Seja vossa oração: ‘Toma-me, Senhor, para ser Teu inteiramente. Aos Teus pés deponho todos os meus projetos. Usa-me hoje em Teu serviço. Permanece  comigo, e permite que toda a minha obra se faça em Ti.” – Caminho a Cristo, 70.

“Satanás tem empenho em que ninguém reconheça a necessidade de se entregar completamente  a Deus. Quando, porém, a alma não faz esta oblação de si mesma, o pecado não é renunciado; os apetites e paixões entram a disputar a primazia; tentações várias confundem a consciência e não tem lugar a conversão legítima.” – Testemunhos Seletos 2, 390.

D. Completa fidelidade ao Senhor

“Satanás leva muitos a crer que Deus não toma em consideração sua infidelidade nas pequenas coisas da vida; mas o Senhor mostra, em seu trato com Jacó, que de maneira nenhuma sancionará ou tolerará o mal. Todos os que se esforçam por desculpar ou esconder seus peca- dos, permitindo que permaneçam nos livros do Céu, sem serem confessados e perdoados, serão vencidos por Satanás.” – Conflito dos Séculos, 671 e 672.

“A transgressão [de Moisés] […] se tivesse passado sem a devida consideração, ter-se-ia dado a impressão de que a incredulidade e a impaciência sob grande provocação poderiam ser desculpadas.” – Parábolas de Jesus, 440.

E. Humilhação, arrependimento e confissão dos pecados

“Ainda assim, agora mesmo diz o Senhor: Convertei-vos  a Mim de todo o vosso coração e isso com jejuns,  com choro e com pranto.”  Joel 2:12

“Se Jacó não se houvesse primeiro arrependido de seu pecado de obter pela fraude o direito de primogenitura, Deus não lhe teria ouvido a oração, preservando-lhe misericordiosamente a vida. Semelhantemente, no tempo de angústia, se o povo de Deus tivesse pecados não confessados que surgissem diante deles enquanto torturados pelo temor e angústia, seriam vencidos.” – CS, 671.

F. Experiência cristã crescente e contínua

“Esta é uma questão diária. Cada manhã consagrai-vos a Deus para esse dia. Submetei-lhe  todos os vossos planos, para que se executem ou deixem de se executar, conforme  o indique a Sua providência. Assim dia a dia podereis entregar às mãos de Deus a vossa vida, e assim ela se moldará mais e mais segundo a vida de Cristo.” – Caminho a Cristo,70.

“Alguns são prontos em receber um ponto; mas quando Deus os leva a outro ponto probante, recuam diante dele e ficam para trás, pois acham que isto golpeia diretamente algum ídolo acariciado. Aí têm eles ensejo de ver o que, em seu coração, está excluindo a Jesus. os indivíduos são experimentados e provados por um espaço de tempo a ver se sacrificarão seus ídolos e darão ouvi- dos ao conselho da Testemunha Verdadeira.” –Testemunhos Seletos 1, 64-65.

G. Aguardar Jesus trabalhando por ele

“Aqueles que têm sido advertidos dos acontecimentos impendentes não devem cruzar os braços numa calma expectativa da tormenta que se anuncia, consolando-se com a ideia de que o Senhor há de proteger os fiéis no dia da calamidade. Devemos ser como os servos que esperam seu Senhor, não nos abandonando a uma expectativa ociosa, mas trabalhando diligentemente com fé inabalável. Não é tempo agora de ocuparmos a mente com coisas de somenos importância.” –Testemunhos Seletos 2, 151.

“O trabalho que a igreja tem deixado de fazer em tempo de paz e prosperidade, terá de realizar em terrível crise, sob as circunstâncias mais desanimadoras, proibitivas. As advertências que a conformidade com o mundo tem silenciado ou retido, precisam ser dadas sob a mais feroz oposição dos inimigos da fé.” –Testemunhos Seletos 2, 164.

H. Estar preparado cada dia

“Ide ao vosso repouso à noite tendo confessado cada pecado. Assim fazíamos quando em 1844 esperávamos encontrar nosso Senhor. E agora esse evento está mais perto do que quando aceita- mos a fé. Estai sempre prontos: à noite, de manhã e ao meio dia, para que, quando se ouvir o clamor: ‘Aí vem o Esposo, saí-Lhe ao encontro’, possais, mesmo que sejais despertados  do sono, ir-Lhe ao encontro com as lâmpadas espevitadas e acesas.” –Testemunhos Seletos 3, 310.

PARA REFLETIR
Quais desses aspectos você e/ou sua igreja estão mais precisando colocar em prática?

4. Ânimo no Senhor

Jesus Cristo está voltando. A experiência que agora temos ainda não é suficiente para suportarmos o terrível tempo de prova que está logo à nossa frente. Contudo avançar é a ordem, e não desanimar é a condição.

“A grande crise está justamente perante nós… Podemos, porém, triunfar esplendidamente; nenhuma alma vigilante, que ore e creia será enlaçada pelo inimigo.

No tempo de prova que está perante nós, a divina promessa de segurança cumprir-se-á nos que guardaram a palavra da Sua paciência. Cristo dirá aos que Lhe foram fiéis: ‘Vai, pois, povo Meu, entra nos teus quartos, e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira. Isa. 26:20. O Leão de Judá, tão terrível com os que Lhe rejeitam a graça será o Cordeiro de Deus para os obedientes e fiéis.” –Testemunhos Seletos 3, 11.

“Meu  irmão,  minha  irmã,  insisto em  que  vos prepareis para vinda de Cristo nas nuvens do Céu. Dia a dia alijai do vosso coração o amor do mundo. Sabei por experiência  própria o  que  significa ter  comunhão com Cristo. Preparai-vos para o juízo, para que, ao vir Cristo para Se fazer admirável em todos os que crêem, vós estejais entre os que O encontrarão em paz. Nesse dia os remidos resplandecerão com o resplendor do Pai e do Filho.” –Testemunhos Seletos 3, 432.

“Estamos ainda entre as sombras e o torvelinho das atividades terrestres. Consideremos com todo o empenho o bendito porvir. Atravesse a nossa fé toda nuvem de escuridão, e contemplemos Aquele que morreu pelos pecados do mundo. Ele abriu os portais do Paraíso para quantos O recebem e nEle crêem. A esses dá Ele o poder de se tornarem filhos e filhas de Deus. Que as aflições que nos angustiam de maneira tão cruel, se transformem em lições instrutivas, ensinando-nos a prosseguir para o alvo pelo prêmio da soberana vocação em Cristo. Sejamos animados pelo pensamento de que o Senhor logo virá. Alegre-nos o coração essa esperança. ‘Ainda um pouquinho de tempo, e O que há de vir virá, e não tardará’. Hebreus l0:37. Bem-aventurados os servos que, quando o Senhor vier, achar vigiando!

Estamos em caminho para casa. Aquele que nos amou de tal maneira que morreu por nós, construiu para nós uma cidade. A Nova Jerusalém é o nosso lugar de repouso. Não haverá tristeza na cidade de Deus. Nenhum véu de infortúnio, nenhuma lamentação de esperanças frustradas e afeições sepultadas serão jamais ouvidas. Logo as vestes de opressão serão trocadas pela veste nupcial. Logo testemunharemos a coroação de nosso Rei! Aqueles cuja vida esteve escondida com Cristo, os que nesta Terra combateram o bom combate da fé, resplandecerão com a glória do Redentor no reino de Deus.

Não demorará muito  até vermos Aquele em quem se centralizam as nossas esperanças de vida eterna. E em Sua presença, todas as provações e sofrimentos desta vida serão como nada. ‘Não rejeiteis, pois, a vossa confiança, que tem grande e avultado galardão. Porque necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade deDeus, possais alcançar  a promessa. Porque ainda um pouquinho de tempo, e o que há de vir virá, e não tardará’. Hebreus 10:35-37. Olhai para cima, olhai para cima, e deixai que a vossa fé aumente continuamente. Permiti que essa fé vos guie pelo caminho estreito que, através dos portais da cidade de Deus, conduz ao grande além, ao amplo, ilimitado futuro de glória destinado aos remidos. ‘Sede, pois, irmãos, pacientes até a vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia. Sede vós também pacientes, fortalecei os vossos corações; porque já a vinda do Senhor está próxima.’ Tiago 5:7 e 8.” –Testemunhos Seletos 3, 434.

“Fiquei profundamente impressionada por cenas que me foram recentemente apresentadas à noite. Parecia haver um grande movimento – uma obra de reavivamento ocorrendo em muitos lugares. Atendendo ao chamado de Deus, nosso povo se estava arregimentando. Irmãos, o Senhor nos está falando. Escutar-Lhe-emos nós a voz; não espevitaremos nossas lâmpadas, e não agiremos como homens que esperam a vinda de seu Senhor? Este tempo exige portadores de luz, requer ação.” –Testemunhos Seletos 3, 441.

“O tempo de agonia e angústia que diante de nós está, exigirá uma fé que possa suportar o cansaço, a demora e a fome – fé que não desfaleça ainda que severamente provada.” – Conflito dos Séculos, 675.

“O Senhor terá um povo tão verdadeiro como o aço, de fé tão firme como o granito. Eles devem ser-Lhe testemunhas  no mundo, instrumentos Seus para realizar uma obra especial, gloriosa, nos dias de Sua preparação.” –Testemunhos Seletos l, 590.

Conclusão

Deixemos agora o nosso coração fremir de alegria e esperança, ao lermos a última mensagem da profetisa do advento ao povo de Deus.

“Ao recapitular a nossa história passada, havendo revisado cada passo de progresso até ao nosso nível atual, posso dizer: Louvado seja Deus! Ao ver o que Deus tem realizado, encho-me de admiração e de confiança na liderança de Cristo. Nada temos que recear quanto ao futuro, a menos que esqueçamos a maneira em que o Senhor nos tem guiado, e os ensinos que nos ministrou no passado.” – Life Sketches, 1915, pág., 196; republicado em Testemunhos Seletos 3, 443.

“Quanto ao mais,  sede fortalecidos no Senhor  e na força do Seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo… Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau, e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis.” Efésios 6: l0-13.

“Ora, Aquele que é poderoso para fazer infinitamente  mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme Seu poder que opera em nós, a Ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre! Amém.” Efésios 3:20-21.

PARA REFLETIR
Após se sentir reavivado com a leitura/estudo das verdades contidas neste livro, o que você pretende fazer para que outros alcancem o reavivamento da primitiva piedade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.