A chuva temporã

Chuva temporã” e “chuva serôdia” são figuras de linguagem retiradas da vida agrária da Palestina, bastante utilizada pelos profetas do Velho Testamento, para falar a respeito do derramamento do Espírito Santo. Essas expressões eram bem conhecidas em Israel. Quando Deus retirou Seu povo do Egito, incluiu em Suas promessas a regularidade das estações e das chuvas, e com elas a fartura de pão, a garantia da vida:

“E há de ser que,  se diligentemente obedeceres a Meus mandamentos. […] darei chuva da tua terra a seu tempo a temporã  e a serôdia, para que recolhas o teu grão, o teu mosto e o teu azeite: e darei erva no teu campo para o teu gado, e comerás e fartar-te-ás.” —Deuteronômio 11:13-15.

Ao serem semeadas as sementes nos campos, caíam as primeiras chuvas regando a terra cultivada – era a chuva temporã. Ocorria nos meses de novembro e dezembro. No mês de março e princípio de abril, ocorria nova precipitação, porém mais intensa, fazendo aparecer “os grãos cheios na espiga” (Mateus 4:28) – era a chuva serôdia. Se esta chuva não caísse na intensidade normal e necessária, mesmo que a chuva temporã houvesse sido regular, não ocorreria boa colheita (SDAB Dictionary, 807).

“Sob a figura das chuvas temporã e serôdia, que caem nas terras orientais ao tempo da semeadura e da colheita, os profetas hebreus predisseram a dotação de graça espiritual em medida extraordinária à igreja de Deus.” – Atos dos Apóstolos, 54.

1. O Espírito Santo

A pessoa e o ministério do Espírito Santo ainda são muito mal compreendidos pelo povo de Deus. E, à medida que nos aproximamos deste momento final de nossa missão, cresce também a necessidade de conhecermos a pessoa do Espírito Santo e participarmos em Seu ministério.

“A natureza do Espírito Santo é um mistério. Os homens não a podem explicar, porque o Senhor não lho revelou. […] Com relação a tais mistérios – demasiado profundo para o entendimento humano – o silêncio é ouro.” – Atos dos Apóstolos, 52.

Conquanto não devamos nos perder em “fantasiosos pontos de vista”, a respeito da “natureza do Espírito Santo”, é nosso solene dever conhecer aquilo que Deus revelou de Sua pessoa, no caso, a pessoa do Espírito Santo e Seu ministério. Conhecê-lo é nosso dever; ser por Ele usado é nosso privilégio.

“E Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador.” E eis que “eu estou convosco todos os dias, até a consumação  dos séculos.” —João 14:16; Mateus 28:20.

“O tempo decorrido não operou nenhuma mudança na promessa dada por Cristo ao partir, promessa esta de enviar o Espírito Santo como Seu representante. Não é por qualquer restrição da parte de Deus que as riquezas de Sua graça não fluem para a Terra em favor dos homens. Se o cumprimento da promessa não é visto como poderia ser, é porque a promessa não é apreciada como devia ser. Se todos estivessem dispostos, todos seriam cheios do Espírito.” – Atos dos Apóstolos, 50.

“A promessa do Espírito Santo não é limitada a algum século ou raça. Cristo declarou que a divina influência de Seu Espírito estaria com Seus seguidores até o fim. Desde o dia do Pentecostes até o presente, o Confortador tem sido enviado a todos os que se rendem inteiramente ao Senhor e a Seu serviço. A todos os que aceitam a Cristo como um Salvador pessoal. O Espírito Santo vem como consolador, santificador, guia e testemunha.” – Atos dos Apóstolos, 49.

“Uma vez que este é o meio pelo qual havemos de receber poder, por que não sentimos fome e sede pelo dom do Espírito? Por que não falamos sobre Ele, não oramos por Ele, e não pregamos a Seu respeito? O  Senhor está mais disposto a dar o Espírito Santo àqueles que O servem do que os pais a dar boas dádivas a seus filhos. Cada obreiro devia fazer sua petição a Deus pelo batismo diário do Espírito.” – Atos dos Apóstolos, 50.

“Cristo, o grande Mestre, possuía ilimitada variedade de assuntos de que escolher, mas aquele em que mais longamente demorava era a dotação do Espírito Santo. Quão grandes coisas predisse Ele para a igreja em virtude, desse dom! Todavia, que assunto é menos considerado agora?” – Mensagens Escolhidas 1, 156.

As palavras seguintes levam-nos a pensar que o profeta como que assumiu os sentimentos feridos de Deus, e fala palavras que somente um profeta, do alto da sua inspiração e autoridade pode falar.

“Os ministros pregam coisas agradáveis para convirem a esses que professam a religião de um modo carnal. Não ousam pregar a Jesus e as verdades incisivas da Bíblia; pois, se assim fizessem, esses que carnalmente são professos da religião não permaneceriam na igreja. Mas, sendo que muitos deles são ricos, deverão ser conservados, embora não estejam mais em condição de ali se acharem do que Satanás e seus anjos. Isto é exatamente como Satanás deseja. Faz-se com que a religião de Jesus pareça popular e honrada perante os do mundo. Declara-se ao povo que aqueles que professam a religião serão mais honrados pelo mundo. Tais ensinos diferem mui grandemente dos de Cristo. Sua doutrina e o mundo não podiam estar em paz. Aqueles que O seguiam tinham de renunciar ao mundo. Estas coisas agradáveis se originaram  com Satanás e seus anjos. Eles formularam o plano, e cristãos nominais o levaram a efeito. Ensinavam-se fábulas aprazíveis e com facilidade eram recebidas, e hipócritas e declarados pecadores uniram-se à igreja. Se a verdade tivesse sido pregada em sua pureza, logo teria excluído esta classe. Não havia, porém, diferença entre os professos seguidores de Cristo e o mundo.” – Primeiros Escritos, 228.

“Deus tinha uma mensagem para a igreja, a qual era sagrada e importante. Ao ser recebida operaria uma reforma completa na igreja, despertaria o vívido testemunho que dela haveria de expurgar os hipócritas e pecadores e de novo a traria ao favor de Deus.” – Primeiros Escritos, 228.

“Os que se acham vazios do Espírito Santo não podem ser atalaias fiéis sobre os muros de Sião: pois estão cegos quanto à obra que deve ser feita, e não dão à trombeta um sonido certo.” – Mensagens Escolhidas 2, 57.

“A presença do Espírito com os obreiros de Deus dará à proclamação da verdade um poder que nem toda a honra, ou glória do mundo dariam.” – Atos dos Apóstolos, 51.

PARA REFLETIR
Por que é tão importante compreender a pessoa e ministério do Espírito Santo para se alcançar o reavivamento pessoal?

2. Chuva temporã no pentecostes

“Acontecerá, depois, que derramarei o Meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, e os vossos jovens terão visões; até sobre os servos e sobre as servas derramarei o Meu Espírito naqueles dias. […] E há de ser que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.” Joel 2:28, 29 e 30.

“Alegrai-vos, pois, filhos de Sião e regozijai-vos,  no Senhor vosso Deus, porque  Ele vos dará em justa medida a chuva;  e faz descer abundante chuva, a temporã  e a serôdia, como antes.” —Joel 2:23.

A promessa da chuva temporã encontra o seu cumprimento profético no Pentecostes (Atos 2), cumprindo-se também nessa mesma ocasião a promessa de Jesus Cristo quanto ao envio do Espírito Santo: “E Eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador.” João 14:36. Ao mesmo tempo, a chuva temporã foi um sinal antecipado do que ocorrerá na chuva serôdia, que é o derramamento do poder do Espírito Santo em sua plenitude.

Os discípulos não fizeram eco ao lamento de Maria Madalena: “Tiraram o meu Senhor e não sei onde O puseram!” João. 20:13. Eles viram o Salvador ressurgido, e Sua promessa de despedida lhes soava constantemente aos ouvidos: “Recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo.” Atos 1:8.

“Ao esperarem os discípulos pelo cumprimento da promessa, humilharam o coração em verdadeiro arrependimento e confessaram sua incredulidade. […]Esses dias de preparo foram de profundo exame de coração. Os discípulos sentiram sua necessidade espiritual e suplicaram do Senhor a santa unção que os devia capacitar para o trabalho de salvar almas.” – Atos dos Apóstolos, 36.

“Ao cumprir-se o dia de Pentecoste, estavam  todos reunidos  no mesmo lugar… E todos ficaram cheios do Espírito Santo.” Atos 2:1, 4.

“O Espírito veio sobre os discípulos, que expectantes oravam, com uma plenitude que alcançou cada coração. […] Era como se por séculos esta influência estivesse sendo reprimida, e agora o Céu se regozijasse em poder derramar sobre a igreja as riquezas da graça do Espírito.” – Atos dos Apóstolos, 38.

“A nós hoje, tão certamente como aos primeiros discípulos, pertence a promessa do Espírito. Deus dotará hoje homens e mulheres com poder do alto, da mesma maneira que dotou aqueles que, no dia de Pentecostes, ouviram a palavra da salvação. Nesta mesma hora Seu Espírito e Sua graça se acham à disposição de todos quantos deles necessitam e Lhe pegarem na palavra.” – Testemunhos Seletos 3, 210.

“É tempo de buscar ao Senhor!” Oséias 10:12.

PARA REFLETIR
Você está seguro de que já recebeu a chuva temporã? Se não, o que lhe falta?

3. Chuva temporã no pré-advento

Embora no passado, a Chuva Temporã tenha ocorrido coletiva e repentinamente,  nestes dias ela se repetirá individual e gradativamente, até se transformar  na chuva serôdia, que é o derramamento pleno do Espírito Santo como no Pentecostes, porém mais intenso.

A Chuva Temporã é, pois, tão necessária quanto à chuva serôdia, e aquela, um pré-requisito desta. Daí sua importância e necessidade agora!

“Vi que muitos negligenciavam a preparação tão necessária, esperando que o tempo do ‘refrigério’ e da ‘chuva serôdia’ os habilitasse a estar em pé no dia do Senhor e viver à Sua vista. […] Vi que ninguém poderia participar do ‘refrigério’ a menos que obtivesse a vitória sobre toda tentação, orgulho, egoísmo, amor ao mundo, e sobre toda má palavra e ação.” – Primeiros Escritos, 71.

“Foi-me mostrado o povo de Deus esperando que ocorresse alguma mudança – que um compulsivo poder deles se apoderasse. Mas ficarão decepcionados, pois estão em erro. Precisam agir, precisam lançar por si mesmo mãos ao trabalho e clamar fervorosamente a Deus por um genuíno conhecimento de si próprios. As cenas que estão passando diante de nós são de magnitude suficiente a fazer-nos despertar, levando insistentemente a verdade ao coração de todos os que quiserem escutar.” – Testemunhos Seletos 1, 88.

O recebimento do Espírito Santo é uma graça divina e uma conquista humana. É uma união do esforço humano com o poder divino. É um verdadeiro milagre!

“Muitos têm em grande medida deixado de receber a chuva temporã. Não têm obtido todos os benefícios que Deus assim para eles tem provido. Esperam que as falhas sejam supridas pela chuva serôdia. Quando a maior abundância da graça estiver para ser outorgada, esperam poder abrir o coração para recebê-la. Estão cometendo um erro terrível…. Se não progredirmos, se não nos colocarmos na atitude em que tanto possamos receber a chuva temporã como a serôdia, perderemos nossa alma e a responsabilidade jazerá à nossa porta.” – Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, 507, 508.

O Espírito Santo vem preparar os que estiverem se preparando para recebê-Lo. Não será nada súbito, inesperado ou inconsciente.

“Foi me mostrado que se o povo de Deus não fizer qualquer esforço de sua parte, mas esperar que lhe sobrevenha o refrigério para remover suas faltas e corrigir seus erros; se depender disso para ser purificado da impureza da carne e do espírito, e para ser habilitado a se empenhar no alto clamor do terceiro anjo, será achado em falta.” – Testimonies 1, 619.

“Hoje deveis entregar-vos a Deus, para que sejais esvaziados do próprio eu, esvaziados de inveja, ciúmes, ruins suspeitas, pelejas, tudo quanto seja desonroso para Ele. Hoje deveis ter purificado vosso vaso a fim de estar prontos para […] os aguaceiros da chuva serôdia; pois a chuva serôdia virá, e a bênção de Deus encherá toda alma que estiver purificada de toda contaminação. É nossa obra hoje entregar nossa alma a Cristo, para estarmos preparados para o tempo de refrigério. […] preparados para o batismo do Espírito Santo.” – Evangelismo, 701 e 702.

“Podemos estar certos de que quando o Espírito Santo for derramado, os que não receberam nem apreciaram a chuva temporã, não verão nem compreenderão o valor da chuva serôdia.” – Eventos Finais, 195.

“Mas não se deve negligenciar a graça representada pela chuva temporã. Só os que estiverem vivendo de acordo com a luz que têm recebido poderão receber maior luz. A não ser que nos estejamos desenvolvendo diariamente na exemplificação das ativas virtudes cristãs, não reconheceremos  as manifestações do Espírito Santo na chuva serôdia. Pode ser que ela esteja sendo derramada nos corações ao nosso redor, mas nós não a discerniremos nem a receberemos.” –Maranata, O Senhor Vem!, 211.

O preparo é adquirido pela própria ação do Espírito Santo nos corações que se submetem diariamente a Ele e buscam este poder.

“Quando o Espírito de Deus toma posse do coração, transforma a vida. Os pensamentos pecaminosos são afastados, renunciadas as más ações; o amor, a humildade, a paz tomam o lugar da ira, da inveja e da contenda. A alegria substitui a tristeza, e o semblante reflete a luz do céu. Ninguém vê a mão que suspende o fardo, nem a luz que desce das cortes de cima. A bênção vem quando, pela fé, a alma se entrega a Deus. Então, aquele poder que olho algum pode discernir, cria um novo ser à imagem de Deus.” – O Desejado de Todas as Nações, 122.

“Se os homens se dispuserem a ser moldados, haverá a santificação de todo o ser. O Espírito Santo tomará as coisas de Deus e lhas gravará na alma.” – Atos dos Apóstolos, 53.

“Implantando-lhes no coração os princípios de Sua Palavra, o Espírito Santo desenvolve nos homens  os predicados  de Deus. A luz de Sua glória – Seu caráter – deve refletir-se em Seus seguidores.” – Parábolas de Jesus, 414.

“Reconhecei em cada momento que deveis ter a presença do Espírito Santo.” –Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, 310.

“Precisamos todas as horas de nossa vida ser santificados pelo Espírito Santo, para não cairmos nas ciladas do inimigo, e ser nossa alma posta em perigo.” –A Maravilhosa Graça de Deus, 195.

Se é assim, então:

“Por que não temos fome e sede do dom do Espírito, visto que é este o meio pelo qual haveremos de receber poder? Por que não falamos sobre Ele, não oramos por Ele e não pregamos a Seu respeito?” – Testemunhos Seletos 3, 212.

“Por que não nos prostramos diante do trono da graça como representantes da igreja e, com coração submisso e espírito contrito, suplicamos fervorosamente que o Espírito Santo seja derramado do alto sobre nós?” – E Recebereis Poder, 323.

“Oxalá nós como um povo, humilhássemos o coração diante de Deus e pleiteássemos com Ele pela dotação do Espírito Santo!” – Christ Our Righteousness, 165.

Ninguém está por si mesmo preparado; ninguém está apto para a salvação a ponto de dispensar o último ministério do Espírito Santo; ninguém está “pronto” para o Céu!

“Ninguém que pretenda ser santo é realmente santo. Aqueles que estão registrados como santos nos livros dos Céus não se apercebem deste fato e são os últimos a proclamar a própria bondade.”– A Fé Pela Qual Eu Vivo, 140.

“Aqueles que estão realmente buscando o perfeito caráter cristão jamais condescenderão com o pensamento de que estão sem pecado. Sua vida pode ser irrepreensível; podem estar vivendo como representantes da verdade que aceitaram; porém, quanto mais consagram a mente para se demorar no caráter de Cristo e mais se aproximam de Sua divi- na imagem, tanto mais claramente discernirão Sua imaculada perfeição e mais profundamente  sentirão seus próprios defeitos.” – Santificação, 7.

Conclusão

Depender da graça de Deus e do poder do Espírito Santo é nossa única saída, e Jesus Cristo nosso único caminho.

“Precisamos olhar a Cristo; precisamos resistir como Ele resistiu; orar como Ele orava; angustiar-nos como Ele Se angustiou,  se quisermos vencer como Ele venceu.” – Caminho a Cristo, 34.

E como Cristo venceu?

– Recebendo diariamente o batismo do Espírito Santo!

“Cristo recebia constantemente do Pai, para que nos pudesse comunicar. […] Vivia, meditava e orava não para Si mesmo, mas para os outros. Depois de passar horas com Deus, apresentava-Se manhã após manhã para comunicar aos homens a luz do Céu. Cotidianamente recebia novo batismo do Espírito Santo.” – Parábolas de Jesus, 139.

“O Espírito Santo precisa ser continuamente comunicado ao homem, do contrário ele não tem disposição de contender com os poderes das trevas.” – Caminho a Cristo, 16.

Embora o cristão tenha que participar de uma luta real pela sua salvação, não deve ele se preocupar quanto ao resultado. Nesta luta há mais do que esperança – há certeza de vitória: a vitória de Cristo.

“Jesus não revelou qualidades nem exerceu poderes que os homens não possam possuir mediante a fé nEle.” – O Desejado de Todas as Nações, 497.

“A vida que Cristo viveu neste mundo podem viver também homens e mulheres, por meio do Seu poder e sob Suas instruções. Em seu conflito com Satanás podem eles receber todo auxilio que Cristo tinha. Poderão ser mais do que vencedores por Aquele que os amou e por eles Se entregou.”  –Testemunhos Seletos 3, 29.

“Aquele que chamou os pescadores da Galiléia, chama ainda homens ao Seu serviço. E está tão disposto a manifestar por nosso intermédio o Seu poder como por meio dos primeiros discípulos.” – O Desejado de Todas as Nações, 217.

“As palavras de Cristo por intermédio do profeta evangélico dirigem-se a nós, nesta última geração: ‘Levanta-te, resplandece; porque já vem a tua luz, e a glória do Senhor nasceu sobre o vosso espírito’. Se tendes contemplado a beleza dAquele que ‘traz a bandeira entre dez mil’, e que é ‘totalmente desejável’, se vossa alma se tornou radiante em presença de Sua glória, são-vos dirigidas estas palavras do Mestre: Tu és a luz do mundo, levanta-te, pois, e resplandece! (Mateus 5:14, Isa. 60:1).” – O Maior Discurso de Cristo, 45.

PARA REFLETIR
Estou realmente buscando a chuva temporã, ou estou aguardando algo especial acontecer para tomar uma decisão?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.