#6. Uma resposta inesperada

Você alguma vez já pediu algo que você estava desejando muito, a alguém de sua inteira confiança e estima, e essa pessoa negou o seu pedido? Como você se sentiu?

[   ] Alegre, pois o que eu pedi realmente não era o melhor.

[   ] Feliz, por conhecer quem realmente está do meu lado.

[   ] Assombrado. Eu não esperava por isso.

[   ] Irritado. Ele não tinha esse direito.

[   ] Conformado. A gente não pode ganhar todas.

[   ] Traído, afinal ele era meu melhor amigo.

A felicidade é o objetivo principal do homem. Tudo que ele faz tem uma razão que, sob sua ótica, o levará a subir mais um degrau na escada da felicidade. Tudo o que pedimos a Deus também é com este objetivo. Entretanto, às vezes nos enganamos; e Deus, conhecedor do fim desde o princípio, não atende o nosso pedido para o nosso próprio bem. Foi o que aconteceu na história que estudaremos hoje.

Para download desta lição em PDF, clique no link abaixo:


	06-Uma-resposta-inesperada.pdf	(559 downloads)

Lendo a Palavra

Jesus e os discípulos chegaram à região de Gerasa, no lado leste do lago da Galileia. Assim que Jesus saiu do barco, um homem daquela cidade foi encontrar-se com ele. Esse homem estava dominado por demônios. Fazia muito tempo que ele andava sem roupas e não morava numa casa, mas vivia nos túmulos do cemitério. Quando viu Jesus, o homem deu um grito, caiu no chão diante dele e disse bem alto:

— Jesus, Filho do Deus Altíssimo! O que o senhor quer de mim? Por favor, não me castigue!

Ele disse isso porque Jesus havia mandado o espírito mau sair dele. Esse espírito o havia agarrado muitas vezes. As pessoas chegaram até a amarrar os pés e as mãos do homem com correntes de ferro, mas ele as quebrava, e o demônio o levava para o deserto.

Jesus perguntou a ele:

— Como é que você se chama?

— O meu nome é Multidão! — respondeu ele.

(Ele disse isso porque muitos demônios tinham entrado nele.) Aí os demônios começaram a pedir com insistência a Jesus que não os mandasse para o abismo.

Muitos porcos estavam comendo num morro ali perto. Os demônios pediram com insistência a Jesus que os deixasse entrar nos porcos, e ele deixou. Então eles saíram do homem e entraram nos porcos, que se atiraram morro abaixo, para dentro do lago, e se afogaram.

Quando os homens que estavam tomando conta dos porcos viram o que havia acontecido, fugiram e espalharam a notícia na cidade e nos seus arredores. Muita gente foi ver o que havia acontecido. Quando chegaram perto de Jesus, viram o homem de quem haviam saído os demônios. E ficaram assustados porque ele estava sentado aos pés de Jesus, vestido e no seu perfeito juízo. Os que haviam visto tudo contaram ao povo como o homem tinha sido curado. Aí toda a gente da região de Gerasa ficou com muito medo e pediu que Jesus saísse da terra deles. Então Jesus subiu no barco e foi embora. E o homem de quem os demônios tinham saído implorou a Jesus:

— Me deixe ir com o senhor!

Mas Jesus o mandou embora, dizendo:

— Volte para casa e conte o que Deus fez por você.

Então o homem foi pela cidade, contando o que Jesus tinha feito por ele.

Lucas 8:26-39 – NTLH

Aprendendo da Palavra

1. Descendo do barco, como você acha que Jesus reagiu ao encontrar-se com o jovem possesso?

[a] Enternecido.

[b] Amedrontado.

[c] Incerto sobre o que fazer.

[d] Instantaneamente reconheceu o inimigo.

[e] Pediu poder do céu para enfrentar a situação.

2. Em que sentido o tratamento de Jesus ao jovem foi diferente do que as pessoas deram?

[a] Jesus não saiu correndo ao encontrá-lo.

[b] Jesus chegou até mesmo a conversar com ele.

[c] Ele conseguia distinguir o jovem dos demônios que o possuíam.

[d] Cristo não o tratou como um indigente.

[e] Jesus o amou como a um filho.

[f] Ele não pensou que o jovem estava louco.

3. Que pensamentos invadiram aqueles que assistiam toda aquela cena?

[a] Gente, o que foi isso?

[b] Essa é uma cura verdadeira?

[c] Quem irá pagar o prejuízo?

[d] Quem é esse Jesus?

[e] Pode alguém ver Deus e continuar vivo?

[f] De onde vem tanto poder?

4. Por que os espectadores pediram que Jesus fosse embora?

[a] Jesus era um estrangeiro.

[b] Tiveram medo de Jesus mandar mais porcos para o abismo.

[c] Eles não queriam que Jesus expulsasse os demônios do jovem.

[d] Estavam com medo de encarar a Deus.

[e] Estavam tão possessos quanto o jovem.

5. Jesus pediu que o jovem voltasse para casa:

[a] Porque não havia lugar no barco.

[b] Para que fosse reintegrado ao lar.

[c] Para que ele cumprisse os rituais da lei cerimonial.

[d] Porque sua família precisava conhecer a história também.

[e] Porque do contrário, ninguém acreditaria.

Aplicando a Palavra

6. Se você fosse pedir a Jesus que o libertasse de algo, o que seria?

                                                                                                                   

                                                                                                                   

7. Atualmente eu estou:

[a] Isolado em lugares solitários.

[b] Clamando por Jesus.

[c] Experimentando a cura divina.

[d] Sentado aos pés de Cristo.

[e] Contando a todos o que Jesus fez por mim.

Para refletir

8. A maior ajuda que meu Pequeno Grupo poderia me dar:

[a] Alegrar-se com as maravilhas que Deus tem feito em minha vida.

[b] Ajudar-me a enxergar o que Deus tem feito em minha vida.

[c] Participar do que Deus está tentando fazer comigo.

[d] Compartilhar o que Deus tem feito na vida deles.

[e] Ajudar-me a enxergar o que Deus pode fazer em mim.

9. Quando você foi a Jesus pela primeira vez, como foi tratado?

[a] Ele conversou comigo.

[b] Ele apenas escutou, sem dizer uma palavra.

[c] Ele conseguiu me consolar.

[d] Consegui o que pedi a Ele, na ocasião.

[e] Ajudou-me a carregar o meu “fardo”.

[f] Eu nunca fui a Jesus.

10. Sob que aspecto a maneira como Jesus o tratou foi diferente da maneira como as pessoas o tratam?

[a] Ele não tem medo de mim

[b] Ele conseguiu enxergar meu lado bom

[c] Não foi logo me acusando

[d] Foi uma atenção desinteressada

[e] Ele se preocupou comigo

O jovem que havia experimentado a cura divina pediu para voltar com o Mestre e dele receber mais luz ainda. Sua intenção era boa? Seu pedido era honesto? Sim, claro!! Mas foi recusado. Por quê?

“É em trabalhar para difundir as boas novas de salvação, que somos levados para perto do Salvador” (O Desejado de Todas as Nações, 340). Havia em Gerasa uma grande obra a ser realizada. Aquele jovem nunca havia estado aos pés de Cristo e escutado os seus ensinos. O que ele poderia fazer? Apenas contar a sua história. Os habitantes de Gerasa expulsaram a Jesus, mas ficaram com um testemunho entre eles.

O jovem prontamente aceitou seu ministério. Assim também deveríamos nós fazer. Ficamos argumentando que somos incapazes, e realmente o somos, mas se a ordem é de Deus, Ele concederá o poder e a sabedoria de que nós necessitamos.

Umberto Moura e Delman Falcão

Baseado em Serendipity Bible

Edição: Joelson Moura

www.pequenosgrupos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.