#3 – Palavras mansas

[Download não encontrado.]

Davi vivia escondido como fugitivo de seu inimigo Saul, o rei de Israel. Embora exilados, os homens de Davi costumavam guardar e proteger seus patrícios israelitas, que foi o caso de Nabal, um homem muito rico, porém, “duro e mau nas suas práticas”. Quando Davi pediu uma retribuição a Nabal, este reagiu agressiva e provocativamente. Davi jurou se vingar, e estava a caminho com seus companheiros para matar Nabal e todos os homens inocentes de sua casa, quando Abigail, esposa de Nabal interveio. Ela foi ao encontro de Davi levando alimento e bebida como presente generoso para eles. Pediu desculpas pela conduta abominável do marido e suplicou a Davi que poupasse a vida dos inocentes (1Sm 25:2-35).

Todos nós admiramos uma pessoa gentil, ponderada, equilibrada de gestos e palavras. Até gostamos de ficar perto desse tipo de pessoa, sentimos bem-estar e paz em sua companhia. Porém, precisamos admitir que, de fato, em geral temos dificuldade para reproduzir esse tipo de personalidade. É mais fácil aplaudir que imitar.

Achamos que na correria do dia a dia, no estresse, na vida difícil está a explicação para nossas atitudes impensadas e agressivas. A falta de reflexão, de admitir a falha, finda afastando a possibilidade de mudar nosso temperamento e estilo de vida.

Uma dessas consequências é que, sem refletir nessas ações, acabamos por não aprender com elas. Se pudéssemos observar com cuidado nos olhos daqueles a quem agredimos com as palavras, veríamos o quanto os ofendemos, o quanto os diminuímos, o quanto os atrapalhamos, e pensaríamos melhor antes de ter a mesma reação contra eles novamente. Você sabe qual é a opinião de Deus a esse respeito? Vamos ver na Bíblia que conselhos podemos encontrar.

Lendo a Palavra

Provérbios 15:1,4; 25:15.

 
Aprendendo da Palavra

1. Quais foram as quatro qualidades que o texto mostrou serem importantes a fim de afastar de nossa vida o furor e a ira?

[a]                                                                                                                                                                       

[b]                                                                                                                                                                      

[c]                                                                                                                                                                       

[d]                                                                                                                                                                      

2. Em sua opinião, o que é uma resposta branda?

[a] Falar baixinho.

[b] Falar com calma.

[c] O silêncio.

[d] Não tem nada a ver com o tom de voz, mas apenas com o que se diz.

[e] É dizer a coisa certa da maneira certa.

3. Por que será que a Bíblia usou a figura da árvore de vida?

[a] No Gênesis ela mantinha a vitalidade de Adão e Eva.

[b] Ela expressa nossas esperanças de um dia morarmos no Céu.

[c] As palavras têm um poder curativo semelhante ao daquela árvore.

[d] Para ajudar-nos a não esquecer nossa dependência de Deus.

[e] Quem usa bem as palavras, como a árvore de vida, está no paraíso.

4. Em sua opinião, o que significa quebrantar o espírito de alguém com uma língua perversa?

                                                                                                                                                                             

5. O que a longanimidade e a palavra branda têm em comum?

[a] Elas fazem bem a quem está ao nosso redor.

[b] Alcançam coisas que de outra maneira seriam quase impossíveis.

[c] “Quebram” as mais difíceis barreiras.

[d] A palavra branda depende da longanimidade.

[e] É impossível ser longânimo e não usar a palavra branda.

6. Qual o “segredo” que faz com que a resposta branda seja capaz de desviar o furor?

[a] Demonstra humildade e longanimidade.

[b] Revela que a pessoa também está disposta a ouvir.

[c] Evita que a adrenalina tome conta!

[d] É impossível discutir sozinho.

7. Você já teve a oportunidade de ver uma resposta branda desviar o furor? Poderia compartilhar?

                                                                                                                                                                             

 

Aplicando a Palavra

Imagine uma pessoa completamente alterada à sua frente. Gritando, ameaçando e não dando chance de você falar. O que fazer numa situação dessas? Albert J. Bernstein* dá os seguintes conselhos:

1. Mantenha a calma. Não transforme a situação numa guerra em que alguém tem de vencer.

2. Trate-os como crianças. Não vai ser possível usar a conversa para retirar a outra pessoa de seu surto emocional, e ficar irritado não vai ajudar em nada.

3. Diga “Por favor, fale mais devagar. Gostaria de poder ajudar.” Diminua a velocidade. Não pareça estar querendo brigar também.

4. Pergunte “O que você gostaria que eu fizesse?” É preciso fazer a pessoa pensar de forma a desligar a máquina da raiva.

5. Não faça afirmações. Faça perguntas. Explicar é tentar dominar a situação de forma velada. Perguntas fazem com que a pessoa pare para pensar.

6. Comece sentenças com “Gostaria de …” e não “Você é …” Se você começar com “eu” é mais difícil parecer que você está atacando.

7. Deixe a pessoa com a última palavra. Não deixe seu ego estragar tudo no último momento.

(*Adaptado)

Quando eles estiverem falando, se pergunte porque estão dizendo o que estão dizendo. E não, eu tenho razão, e estou me sentido ofendido.

Para Refletir

Ninguém teve a oportunidade de escolher seu temperamento. Nascemos assim, “sou assim mesmo”, dizem alguns. Mas podemos escolher a maneira como tratamos as pessoas, podemos escolher as palavras que queremos ou precisamos falar às pessoas. Ser grosseiro e obstinado não é destino, é escolha pessoal.

Na oração de Francisco de Assis, ele diz:

“Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz.

Onde houver ódio, que eu leve o amor;

Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;

Onde houver discórdia, que eu leve a união;

Onde houver dúvida, que eu leve a fé;

Onde houver erro, que eu leve a verdade;

Onde houver desespero, que eu leve a esperança;

Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;

Onde houver trevas, que eu leve a luz”.

Uma pessoa capaz de levar essas qualidades e virtudes é muito bem-vinda, pois certamente sua companhia será muito apreciada.

Jesus disse: “Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra” (Mt 5:5). Ele não disse bem-aventurados os que estão com a razão, mas os mansos, ainda que vítimas da injustiça e da intolerância, mas mansos.

Umberto Moura e Delman Falcão

Baseado em: Serendipity Bible

Edição: Joelson Moura

www.pequenosgrupos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.